quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Da distância.

Existem distâncias opcionais, oferecidas pela vontade. Existem distâncias que nos são impostas, pelas circunstâncias. Quanto a estas, nesse espaço que vai daqui a ali, vamos aprendendo a lidar com a ausência de quem, em palavras rápidas, se confessa chateado, se confessa cansado, se confessa bem, se confessa feliz. Confessa saudade. Vamos mitigando a ideia dos quilómetros que se impõem, numa tentativa de nos abstrairmos da passagem do tempo, na certeza de que nos veremos, um dia. Naquele dia. A data está marcada. Até lá, é como se a distância fosse diminuindo todos os dias, um pouco.

2 comentários:

Partilhamos um café?