terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

As palavras que não sei dizer.

Tenho uma tendência (má, dizem) para manter as palavras e ideias comigo. Na minha cabeça. Quando algo acontece, processo tudo em silêncio. No meu silêncio. Aprendi (ainda que por força das circunstâncias) a ser independente, aprendi a não contar com ninguém, além de mim, embora tenha existido alguém atento a mim, em determinados momentos. Assim, processava os meus mil e um pensamentos e ideias, de mim e para mim. Travei muitas batalhas, algumas delas perdi, mas outras venci. Ninguém sabe delas todas, algumas delas são desconhecidas na totalidade. Grande parte delas. Eu, sim. Sei de cada uma delas e de como me fizeram crescer, de como me fizeram mudar. De como as derrotas me fizeram sentir ferida e de como as vitórias me me souberam a doce...
Com tudo isto, hoje há palavras que não sei dizer. Palavras que me estão no pensamento, mas que não sei verbalizar. Ou não consigo (será a expressão mais acertada). Isto requer daquelas pessoas que me rodeiam, mais paciência... Assim, é fácil perceber quando as pessoas estão, de facto, interessadas em mim ou não. Quando, de facto, estão interessadas em saber o que quero e sinto, ou não. É fácil perceber quem está disposto a enfrentar uma certa dificuldade. É fácil perceber quem está disposto a agir para conquistar. Sinto-me conquistada, mas ainda há palavras que aguardam coragem. A estranheza que pareço demonstrar perante quem facilmente verbaliza o que sente, pode desacreditar os meus actos. Sinto-me conquistada - as minhas palavras vão demonstrar, um dia. Por agora, os meus actos são tudo.

4 comentários:

  1. Temos sempre de resguardar a nossa intimidade. Sou a favor deste tipo de comportamento ;)

    ResponderEliminar
  2. Dizem, e com razão, que os actos são mais importantes do que as palavras. Estás bem assim, portanto :)

    ResponderEliminar
  3. Assim é fácil saber quem se interessa ou não :)

    r: o vestido é este: http://www.allurebridals.com/products/9103#
    :)

    ResponderEliminar

Partilhamos um café?