segunda-feira, 31 de março de 2014

Hoje casa esta. Amanhã aquela.

Pelo FB vou sabendo que pessoas que estudaram comigo na faculdade, se casaram. De igual modo, ainda a semana passada recebi no telemóvel a imagem de um bebé (com o qual fiquei fascinada confesso, pois que tinha nascido há pouco tempo e já me parecia bonito, ao contrário do que costuma acontecer...), filho de uma amiga que estudou comigo no secundário. Namora com o pai do menino desde essa altura, optou por não casar, mas hoje já é mãe. E é assim que as coisas vão acontecendo, a uma velocidade alucinante. Acontecimentos tão importantes, decisivos. E no momento em que me cruzo com essas pessoas, não me ocorre nada além de um "parabéns!". Perguntar-lhes "mas o que é que te deu na cabeça para casares?!" ou "um filho, já?!!" ficaria mal, muito mal, pelo que, vale mais estar calada. Entendo que existem momentos em que é necessário avançar, fazer diferente, evoluir. Estagnar pode ser um erro fatal. Mas não imaginei essas pessoas casadas, muito menos mães de um bebé minúsculo!! Mas sou só eu que tenho medo de pegar um bebé ao colo, tal desastrada que sou? Sou só eu que acho que se deve ter tooodo o cuidado do mundo, sob pena de ele se partir, à semelhança de um boneca de porcelana? Sou só eu que sou assim, estranha? É certo que, de vez em quando, me sinto mesmo uma estranha. Incompreendida. Ninguém é igual a nós, ninguém pensa e age como nós. Certa de que ainda tenho muito para crescer, em todos os sentidos (excepto para os lados, esse tipo de crescimento dispenso!), acredito que há o que acontece simplesmente (porque as coisas não acontecem só aos outros, certo?) e há o que fazemos acontecer. Eu espero ter a sabedoria necessária para perceber quando devo fazer acontecer. Espero também ter a sabedoria necessária para não menosprezar o que pode, simplesmente, acontecer.

6 comentários:

  1. É simplesmente a vida a acontecer! E, tal como dizes, não há duas pessoas iguais. E não há escolhas certas, nem erradas. Há, simplesmente, escolhas. Com as quais podemos ou não concordar. E nós só temos de viver com as consequências dessas escolhas que vamos tomando ao longo da vida... Corram bem ou não.

    ResponderEliminar
  2. Eu também penso assim. Já tenho colegas da primária e básico casados e com filhos e faz-me muita confusão, mas é a vida deles e cada um faz o que quer, mas que me faz confusão faz. Até porque casar e ter filhos não estão nos primeiros lugares da minha to do list, aliás não estão nem nos últimos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora bem, se fossemos todos iguais isto não tinha piada, certo? :) São decisões que não nos cabe a nós entender... mas é impossível que não as analisemos, essa é a verdade.

      :)

      Eliminar
  3. Eu já ouvi dizer que as pessoas trapalhonas deixam de o ser com os filhos nos braços... Há esperança, Margarida... Há esperança :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lol...
      Lia, obrigada! De vez em quando necessito assim de um incentivo, a esperança é a última a morrer!! :) :)

      Eliminar

Partilhamos um café?