segunda-feira, 19 de maio de 2014

Questionar ou não questionar.

Olhar para trás e colocar em causa as decisões que tomamos e as consequências das mesmas. Tentar perceber se podia ter sido diferente. Saber que só fica quem quer e que a atenção não se deve mendigar. Que a amizade verdadeira não é esquecimento e não escolhe lados (ou pessoas, como partidos). E assim, escolher ficar no nosso espaço, com o que nos pertence, de verdade. Não arriscar momentos, não arriscar a certeza de que não é mais como antes, escolher antes a suspeita de que assim seja. Saber que a nossa decisão não podia ter sido outra, mas desejar que as consequências da mesma tivessem sido bem diferentes. Ou experimentar a sensação de que aquele não é mais o nosso mundo porque, na verdade nunca foi e é por isso que hoje já lá não estamos. É por isso que, o facto de já lá não estarmos, não afecta os demais. Não fazemos falta. Porque não era nosso, embora custe.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Não sei quem é a Anna...


... mas parece ter idade para ter juízo. Só não percebo como é que ela não se apercebeu do ridículo do video clip, da letra da música, da sua voz... Vai Anna. És a maior. Pelo menos, é isso que deves pensar.